Alison e Bruno passam por americanos e avançam para a semifinal

Por 2 a 1, brasileiros despacham dupla do campeão olímpico de Pequim e vai disputar uma vaga na decisão contra holandeses que se enfrentam mais tarde

 

Foi rápido, mas como não poderia deixar de ser, o encontro entre a dupla número um do mundo no ranking Federação Internacional de Vôlei (FIVB) Alison Cerruti e Bruno Schmidt com a dupla do campeão olímpico de vôlei de praia de Pequim 2008, Phil Dalhausser que joga com Nick Lucena, foi bastante equilibrado. Em uma partida que contou com a ajuda da torcida para empurrar os brasileiros e com um vento de quase 90 km por hora que desequilibrou o segundo e o terceiro set, os donos da casa venceram os norte-americanos por 2 sets a 1, com parciais de 21-14, 12-21 e 15-9, na Arena de Copacabana. A partida que começou relativamente bem para os brasileiros se complicou quando os estrangeiros venceram o segundo set sem ter muito trabalho. Com a cabeça no lugar e frieza para reagir em uma situação adversa, Alison e Bruno venceram o set de desempate e estão na entra as quatro melhores duplas do torneio.

 

O set começou dando a tônica do que seria a partida. Nem brasileiros e nem americanos queriam desperdiçar qualquer bola e ficaram trocando pontos no início da passagem. Se os americanos marcavam um ponto do lado de lá, os brasileiros respondiam na mesma moeda do lado de cá. A dupla da casa abriu uma vantagem de quatro pontos, mas o vento ajudou e com dois pontos de saque, a diferença caiu para apenas um ponto. Com a soma de 21 pontos no set, houve o intervalo técnico e os times trocaram o lado da quadra. Com a mudança, o vento que soprava contra os brasileiros passou a ajudar. Alison e Bruno encaixaram o jogo e cravaram cinco pontos de vantagem com 15 a 10 no placar.  Alison crescia no bloqueio, Bruno acertava a mão na recepção e o placar foi avançando até os brasileiros fecharem a primeira passagem em 21 a 14.

 

O segundo set começou com quatro pontos americanos, sendo dois por erros dos brasileiros. O que fez a dupla da casa pedir um tempo técnico e parar o jogo para esfriar os adversários. Lucena caprichava nas defesas e virava bolas seguidas para desespero da torcida que lotava a arena montada na praia de Copacabana. Os brasileiros melhoraram na recepção e reagiram dentro do set. Alison melhorou no bloqueio e a vantagem caiu para dois pontos. O vento seguia sendo decisivo e a vantagem americana chegou a quatro novamente. Os jogadores do Brasil seguiam cometendo alguns erros fundamentais, principalmente no ataque que proporcionava a defesa dos atletas da América do Norte. Em uma bola espetacular, bruno defendeu de maneira fantástica, Alison foi buscar uma bola impossível quase em cima das mesas laterais. O time da casa foi obrigado a passar de graça, mas Lucena atacou para fora e garantiu o ponto verde e amarelo. Entre quatro e cinco, a vantagem de pontos seguia variando na medida em que o set avançava. Os americanos contavam com a sorte, tanto no saque que pegou na rede e caiu na quadra do Brasil quanto na defesa de Lucena que atacou e conquisto o ponto. Alison e Bruno erravam demais e os americanos abriram 20 a 13. Bola disputada e Alison a colocou no canto da quadra americana. O árbitro marca ponto para o Brasil. a dupla dos Estados Unidos solicitou o desafio eletrônico e confirmou que o ataque havia sido para fora, que o ponto era americano e que o set havia terminado com 21 a 13 para os visitantes.

 

O brasileiro Bruno começou a terceira passagem soltando o braço no saque e na recepção errada do adversário, o Brasil marcou o primeiro ponto do tie-break. A passagem pelo saque do brasileiro foi boa, abrindo 3 a 0 no placar. Os americanos reagiram e marcou um ponto, Bruno devolveu. Em uma grande disputa de bola com recepção quebrada para ambos os lados, a bola saiu no ataque atrapalhado do brasileiro. O placar foi caminhando com uma vantagem de dois pontos, o que era bom demais para quem estava na frente, nesse caso, os brasileiros. O nono ponto de Alison e Bruno foi daqueles espetaculares. Primeiro Bruno fez grande defesa, na sequencia foi à vez de Allison fazer outra defesa de cinema, tabelar com o companheiro e cravar a bola no chão e o 9 a 5 no placar. Dalhausser e Lucena tentavam resistir, mas o ataque brasileiro estava impossível. Allison virou três bolas seguidas e o Brasil abriu 12 a 7. Bloqueio espetacular de Alison e a dupla da casa conseguiu o ponto do jogo. Na bola sacada por Lucena, Alison explorou o bloqueio americano e marcou o ponto com a bola que foi para fora após tocar na mão do adversário, fechando o set em 15 a 9 e a partida em 2 sets a 1.

 

Após a partida, Alison comentou sobre o nono ponto do terceiro set, sobre a força defensiva do time brasileiro e exaltou a força da torcida que ecoa das arquibancadas.

 

- Depois daquele nono ponto, passou pela minha cabeça como a satisfação de ver como o ponto foi legal. Eu não costumo defender e graças ao passe do Bruno consegui melhorar nisso. Agora, o que é essa torcida? Estou falando desde o início. Isso aqui é um Coliseu. A energia que vem das arquibancadas é uma coisa impressionante. Jogamos bem no primeiro set e no terceiro também, mesmo passando por um momento muito ruim no segundo set onde o jogo deles melhorou e eles venceram a segunda passagem. Conseguimos reagir, virar e vencer. Agora é pensar no próximo – falou o maior virador de bolas da partida.

 

Mesmo com a euforia dos parentes que estavam nas arquibancadas, Bruno não se deixou contagiar pela emoção e manteve o foco na partida. O brasileiro aproveitou para frisar o poder de concentração que a dupla está mantendo durante a competição.

 

- As dificuldades estão aí desde o inicio desse torneio. Sabíamos que tínhamos que ser criativos para variar nosso jogo e ter paciência que foi predominante para superar os americanos. As situações mudam muito rápido. Aquecemos com um tempo perfeito e na hora que o árbitro apitou o inicio do jogo, começo esse vento maluco que ninguém esperava. Porem, o mais legal foi conseguir enfrentar todas as dificuldades que apareceram. Superar todas elas, uma por uma. Estamos jogando cada jogo como se fosse o ultimo. Isso tem mantido nossa concentração alta. Agora, é esperar qualquer um dos holandeses que vierem pela frente. Vamos encarar e jogar como se fosse a ultima partida do torneio, buscando essa vaga na final. 

 

 

Copyright© 2007/2018 - COMENTANDO.COM.BR - Todos os direitos reservados.
Este material não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.