Após sofrer empate injusto, Inglaterra vence nos pênaltis e segue sonhando

Melhor durante quase todo o jogo, ingleses permitem empate colombiano nos acréscimos, quase sofrem a virada, mas se reorganizam e ficam com a vaga

 

 

Diz a sabedoria popular que pênalti é questão de sorte, mas o que se viu após o empate de um a um entre Colômbia e Inglaterra, nesta terça, em Moscou, foi compensação para uma equipe que buscou mais o gol durante a partida e esteve mais próxima de decidir a classificação no tempo normal e, principalmente, na segunda metade da prorrogação. Após abrir o placar na penalidade convertida pelo artilheiro do Mundial, Harry Kane, os ingleses foram castigados e sofreram o empate em um gol salvador de Yerri Mina, nos acréscimos do tempo normal. O que levou a partida para a prorrogação e mais tarde para a disputa de pênaltis. Mesmo com a pressão colombiana no início do tempo extra, os ingleses retomaram o comando da partida, voltaram a ter boas chances de decidir o jogo, foram premiados na disputa final e encaram a Suécia na disputa pela vaga na semifinal, mantendo vivo o sonho de repetir a conquista do título de sessenta e seis.

 

 

1º TEMPO: PROPOSTA DE JOGO INGLESA, INSISTÊNCIA PELO MEIO E NERVOS EXALTADOS

 

O time da Inglaterra iniciou a partida propondo mais o jogo. Alli recebeu na ponta esquerda driblou o zagueiro que colocou a mão na bola. Falta que Young cobrou fechado para boa defesa de Ospina. Na sobra Mina subiu e jogou para escanteio. A equipe colombiana estava disposta a deixar o adversário com a bola, procurando o jogo de contra-ataque. Foi o que fez Quintero que partiu em velocidade e abriu para Arias sozinho pelo lado direito. O colombiano dormiu e Lingard fez o corte. O time bretão seguia mais consistente. Lingard passou para Trippier que escapou pela ponta direita e cruzou para Kane entrar sozinho, à frente do marcador e cabeceou por cima da meta colombiana, naquela que foi a grande oportunidade do primeiro tempo. O jogo passou a ser bastante estudado após o primeiro quarto, com os dois times tentando infiltrações pelas linhas de meio dos ataques.

 

 

Cuadrado arrancou com a bola pela intermediária tentou o chute, mas foi bloqueado pelos zagueiros. Na sobra, Falcão e Mojica também arriscaram e não deram sorte. Lerma inverteu para Arias, a bola passou por Cuadrado, Quintero e voltou para o lateral direito, mas Maguire se antecipou e tirou o perigo. Cansado de esperar a bola no ataque, Kane passou a buscar o jogo. Na intermediária, o atacante inglês sofreu falta de Lerma. Na formação da barreira, Barrios acertou uma leve cabeçada em Henderson. Os ingleses solicitaram que o árbitro consultasse o VAR (sistema eletrônico de auxílio à arbitragem). O americano conversou com o assistente pelo comunicador e deu cartão amarelo para o volante latino. Quando a falta foi cobrada, Trippier bateu sobre a barreira, mas o tiro saiu à direta de Ospina. Nos acréscimos, deu tempo de Arias ciscar para cima da marcação e deixar para Quinteros chutar de fora da área para boa defesa de Pickford. Encerrando o primeiro tempo de nervos exaltados.

 

 

2º TEMPO: CLIMA QUENTE, CARTÕES AMARELOS, GOL DE KEANE E EMPATE SALVADOR DE MINA

 

Assim como na primeira etapa, o time inglês voltou do intervalo buscando o jogo e procurando as ações ofensivas. Young cobrou falta dentro da área, mas Davinson Sanchez subiu e afastou para escanteio. Na cobrança, Harry Kane se enroscou com Carlos Sanchez dentro da área. O árbitro americano não titubeou e marcou o pênalti para a Inglaterra. O próprio camisa nove foi para a cobrança e bateu, de perna direita, no meio do gol para colocar os europeus na frente do placar. Na saída de bola, o clima esquentou. Falcão Garcia foi derrubado no circulo central e Stones raspou o pé na cabeça do colombiano que ficou rolando no chão. Os ingleses queriam decidir logo a partida. Maguire tentou de cabeça dentro da área, Kane espirrou, o próprio camisa seis tropeçou e a bola sobrou para Trippier que cruzou para Dele Alli que entrava pelo lado esquerdo do ataque. O meia chegou cabeceando e jogou muito perto do gol de Ospina.

 

 

O time da Colômbia precisava do gol de empate, mas não conseguia furar o bloqueio dos ingleses que saiam no contra-ataque e buscavam uma brecha para matar o jogo e garantir a vaga nas quartas de final. Bacca tomou a bola de Dier e abriu do lado direito, na entrada da área para Cuadrado que chegou chutando e mandou muito longe do gol de Pickford, perdendo a melhor oportunidade dos sul-americanos no jogo. A pressão colombiana seguiu. Ospina deu um chutão para frente, a zaga rebateu e Uribe emendou um lindo voleio de antes da intermediária. Pickford voou no ângulo para fazer uma defesa cinematográfica, evitar o empate e jogar a bola para escanteio. Na cobrança, Cuadrado levantou para Yerri Mina, subir mais alto que todos e cabecear para o chão. A bola ainda raspou no defensor inglês que cabeceia e vê a bola tocar no travessão antes de estufar as redes inglesas, empatando a partida, em Moscou.

 

 

PRORROGAÇÃO: PRESSÃO COLOMBIANA, PRESSÃO DOS INGLESES E MAIS UMA DECISÃO NOS PÊNALTIS

 

Depois de empatar a partida praticamente no último lance, o time da Colômbia se lançou ao ataque no início da prorrogação, buscando o gol da vitória. Primeiro, Mojica passou em velocidade, recebeu na frente e cruzou para Bacca na área, mas o goleiro saiu e defendeu. Cuadrado cruzou para Davinson Sanchez que tentou o cabeceio e mandou para fora. O camisa dezessete latino, mais uma vez passou em velocidade, cruzou para Falcão Garcia que fechava em cima da marcação e jogou para fora, perdendo sua melhor chance no jogo. No primeiro minuto da prorrogação, os ingleses trocaram passes na entrada da área colombiana, a bola espirrou para Vardy que emendou para defesa do goleiro colombiano, mas o bandeirinha já tinha parado o jogo.

 

 

Na sequencia, o camisa nove foi travado por Barrios na hora do chute. Os sul-americanos responderam com Falcão que saiu em velocidade, mas Pickford se adiantou para afastar o perigo. O time inglês melhorou no segundo tempo da prorrogação e ficou tocando a bola alguns minutos até que Rose apareceu para finalizar sozinho no lado esquerdo da pequena área, deslocando Ospina e vendo a bola passar raspando a trave esquerda colombiana. Vardy avançou pelo lado direito e cruzou para Lingar, mas a defesa se antecipou e afastou. Em seguida, Dier recebeu sozinho e cabeceou por cima da meta colombiana. Mas a disputa

 

 

DISPUTA DE PÊNALTIS: BELAS COBRANÇAS, GRANDES DEFESAS, URIBE NO TRAVESSÃO E VAGA INGLESA

 

Primeiro a cobrar as penalidades, Falcão Garcia foi o primeiro a cobrar as penalidades. O capitão do time colombiano soltou a bomba no meio do gol para fazer um a zero. Harry Kane respondeu batendo forte e no canto direito para empatar a disputa. Cuadrado marcou batendo com força, no alto do canto direito. Rashford soltou o pé no canto direito para deixar tudo igual mais uma vez. Muriel correu para a bola e tocou com categoria, deslocando o goleiro e fazendo o terceiro dos sul-americanos. Handerson foi para a cobrança e bateu forte, no canto esquerdo para grande defesa de Ospina que colocou pela linha de fundo. O camisa quinze Uribe foi mais um que deu uma pancada no alto, mas acertou o travessão e perdeu. Trippier deixou tudo igual novamente. As últimas cobranças ficaram por conta de Bacca, que bateu no meio do gol para defesa de Pickford, e de Dier que jogou no canto direito de Ospina e fazer o gol que colocou os ingleses nas quartas de final da Copa do Mundo.

 

 

PRÓXIMA PARTIDA

 

A Inglaterra volta a campo no próximo sábado, dia 7/7, às 11h00, em Samara, quando mede forças com a Suécia, em jogo que vale a vaga na semifinal da Copa 2018. Após resistir até o último minuto, a Colômbia volta para casa e agora vai esperar o próximo ciclo para tentar sorte melhor no Catar.

 

FICHA TÉCNICA
COLÔMBIA (3) 1 X 1 (4) INGLATERRA

 

Local: Spartak, Moscou
Data: 3 de julho de 2018 (Terça)
Horário: 15h (de Brasília)

 

Árbitro: Mark Geiger (EUA)

 

Gols: Harry Kane 13’/2ºT (Inglaterra); Yerry Mina 48’/2ºT (Colômbia)

 

Cartões amarelos: Wilmar Barrios, Santiago Arias, Carlos Sánchez, Radamel Falcao, Carlos Bacca, Juan Cuadrado (Colômbia); Jordan Henderson, Jesse Lingard (Inglaterra)

 

COLÔMBIA: David Ospina; Santiago Arias; Yerry Mina, Davinson Sánchez e Johan Mojica; Wilmar Barrios, Carlos Sánchez (Mateus Uribe) e Jefferson Lerma (Carlos Bacca); Juan Cuadrado e Juan Quintero (Luis Muriel); Radamel Falcao
Técnico: José Pékerman

 

INGLATERRA: Jordan Pickford; Kyle Walker, John Stones e Harry Maguire; Kieran Trippier, Dele Alli (Eric Dier), Jordan Henderson, Jesse Lingard e Ashley Young (Danny Rose); Raheem Sterling (Jamie Vardy) e Harry Kane
Técnico: Gareth Southgate

Copyright© 2007/2018 - COMENTANDO.COM.BR - Todos os direitos reservados.
Este material não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.