Deu pro gasto! Em jogo duro, Brasil vence Colômbia por 2 a 0 e segue na busca do ouro

Pela sétima vez, seleção está nas semifinais das Olimpíadas. Porém, time de Micale mostra alguns problemas no setor de criação que merecem atenção

 

Fase ruim, críticas e falta de gols, definitivamente, são coisas do passado? Essa é uma resposta só vamos encontrar nos próximos jogos. Apesar de não fazer uma grande partida, a seleção brasileira venceu a Colômbia por 2 a 0, gols de Neymar e Luan, na noite deste sábado, 13, na Arena Corinthians, em São Paulo, vai enfrentar a Honduras na semifinal do torneio de futebol masculino e mantém acesa a chama para a conquista da medalha de ouro olímpica. Será a sétima vez na história que o time brasileiro terá a chance de conquistar uma vaga na final, como aconteceu em Los Angeles 1984, Seul 1988 e Londres 2012. Apesar de não sofrer gols e do placar tranquilo, o time de Rogério Micale mostrou algumas deficiências, principalmente no setor de criação e nas jogadas pelo lado direito que praticamente não existiram. No primeiro tempo, os jogadores estavam muito nervosos e entraram na onda da provocação colombiana, Renato Augusto, Gabigol e Gabriel Jesus praticamente não pegaram na bola e Neymar só apareceu marcando o gol na cobrança de falta. Mesmo no segundo tempo, com os atletas mais soltos e com a seleção da Colômbia mais aberta para tentar empatar a partida, o time brasileiro não jogou bem, apesar de ampliar o placar em uma jogada individual de Luan. O ponto positivo ficou por conta de defesa formada por Marquinhos e Rodrigo Caio que ganharam quase todas as bolas que disputaram.

 

FINALMENTE, NEYMAR DESENCANTA E MARCA APÓS JEJUM DE ONZE MESES

 

Diferente das outras partidas que disputou no torneio, a seleção brasileira começou mais devagar, sem pressionar e criar oportunidades frente ao adversário. O goleiro brasileiro repetiu o que faz em seu clube, onde parece sofrer da “síndrome de Neuer”, quando o goleiro joga com os pés e muitas vezes sai driblando, como faz o alemão campeão do mundo, recebeu a bola na pequena área, demorou em chutar e sofreu a dividida do atacante colombiano que quase marcou o gol. Para a sorte de Weverton e do Brasil, a bola subiu e saiu por cima da meta. Os primeiros dez minutos de jogo foram nervosos, com os colombianos dando muito trabalho ao árbitro turco. Aos 12, em cobrança de falta pela meia-esquerda, Bonilla armou a barreira aberta. Neymar aproveitou a brecha, cobrou a falta com uma bela curva e acertou o cantinho direito do goleiro colombiano, estufando as redes e colocando o Brasil na frente. Belo gol de Neymar, que não marcava com a camisa da seleção há onze meses. Os colombianos não se abalaram com a inferioridade no placar, quatro minutos depois, em boa jogada pela direito tiveram grande oportunidade no cruzamento com perigo cortado de cabeça por Douglas Santos. Os jogadores brasileiros criavam algumas chances, mas eram bloqueados na hora do chute. Aos 24 Pabón levantou na área, o goleiro Weverton cortou de soco para o comando de ataque, Palacios acertou um belo chute de “bate-pronto”, mas a bola foi por cima do gol, para alívio da torcida canarinho.

 

O jogo perdeu velocidade e o lado direito do Brasil não criou absolutamente nada no primeiro tempo. Gabigol e Gabriel Jesus praticamente não tocaram na bola. As raras jogadas  da seleção foram todas pelo lado esquerdo, mas com um Douglas Santos claudicante, não surtiram muito efeito. Aos 38, a bola sobrou na entrada da área brasileira e Rodrigo Caio travou o chute colombiano no momento exato, evitando a chance dos adversários. Neymar caiu em campo e o zagueiro Marquinhos colocou a bola para fora para que o “menino” fosse atendido. Na saída de bola a Colômbia esqueceu o fair play e não devolveu a posse para a seleção brasileira, Neymar partiu enfurecido para cima de Roa e acertou o colombiano. O tempo fechou em campo, empurrões, discussão, dedos em riste, reservas das duas equipes o gramado e a partida ficou parada por três minutos. Após a confusão, Neymar levou um cartão amarelo por causa da falta no colombiano. Quando a bola rolou foi a vez de Barrios acertar Neymar e receber o cartão amarelo. Logo na sequência, o atacante Preciado também levou cartão amarelo por causa da falta no brasileiro. Nos cinco minutos de acréscimo, as equipes não conseguiram criar mais nada. O lance de mais emoção foi no lançamento pela direita para Gabriel Jesus que entrou impedido.

 

SEGUNDO TEMPO COM MAIS FUTEBOL E MENOS CATIMBA

 

O segundo tempo começou com duas mudanças no time colombiano. Entraram Miguel Borja e Sebastian Pérez e saíram Wilmar Barrios e Harold Preciado. O Brasil seguia sem muitas chances de gol. Quem pressionava era a Colômbia que com menos de cinco minutos arriscou duas vezes de fora da área para boas defesas de Weverton, espalmando uma para a frente e outra para o lado. Renato Augusto tentava aparecer mais no jogo buscando a bola, já que ficou apagado durante todo o primeiro tempo. Os colombianos queriam o empate, mas esbarravam na zaga brasileira que estava atenta cortando todas as investidas dos nossos vizinhos. Aos 20, Neymar fez belo cruzamento na área e encontrou Rodrigo Caio livre. O zagueiro cabeceou forte e o goleiro Bonilla evitou o segundo gol brasileiro. Apagado na partida, Gabigol deu lugar a Thiago Maia, mudando a disposição tática do time de Rogério Micale, que não surtiu efeito e seguiu com a criação comprometida. O jogo ficou morno e os times começaram a demonstrar desgaste físico. Aos 34, o técnico colombiano mexeu de novo e colocou Arley Rodriguez no lugar de Andrés Roa para tentar o empate, mas quatro minutos depois, Luan recebeu no camando de ataque, levantou a cabeça, percebeu o Bonilla adiantado e bateu de lado de pé, com curva e por cobertura, encobrindo o goleiro e vendo a bola morrer na rede, marcando o segundo gol brasileiro no jogo. Um alívio para os donos da casa que ficaram muito próximos da vaga na semifinal. No fim da partida, Rogério Micale promoveu Rafinha Alcântara no lugar de Gabriel Jesus, mas a alteração pouco mexeu com a disposição brasileira que vencia a partida por 2 a 0 e esperou o relógio correr para comemorar a vaga na próxima fase.

 

O meia Renato Augusto comentou a entrada de Walace no time e citou sua mudança de posição no jogo de hoje, além de mostrar expectativa para voltar a jogar no Maracanã, dessa vez, com a camisa da seleção.

 

- Hoje foi uma partida com clima de Libertadores e nossa equipe está de parabéns. Apesar da pouca idade, soube lidar com a pressão e administrar a partida. Entramos um pouco nervosos no jogo. Com o passar do tempo as coisas melhoraram e conseguimos vencer. Quando a bola entra, tudo fica mais fácil. Jogamos com o Walace que sai um pouco mais, então quando ele saia, eu ficava mais na marcação. Tenho que saber quem está jogando do meu lado. Então, prefiro ficar um pouco mais atrás para dar uma tranquilidade aos zagueiros. Agora, voltaremos ao Maracanã que é a minha casa. Foi onde eu nasci, foi onde eu cresci como torcedor e como jogado. Lá fui criado e farei de tudo para fazer um grande jogo – comemorou o ex meio campo do Flamengo.

 

Após o jogo, Walace falou sobre a oportunidade que teve na última partida, quando entrou no lugar de Thiago Maia, até então titular absoluto do time de Micale, e ganhou a posição.

 

- Fico feliz de ter a oportunidade e pude aproveitar a chance. Vamos dar o máximo, buscando a medalha de ouro para o Brasil. Mas temos que respeitar todas as seleções, já que a partida contra Honduras será muito difícil, afinal, eles eliminaram a Argentina. Não podemos achar que o jogo está ganho – disse o meia.

 

Na quarta-feira, dia 17, às 13h00, a seleção brasileira joga sua sorte no torneio olímpico de futebol masculino na partida semifinal contra a seleção de Honduras, que acontece no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro.

 

FICHA TÉCNICA

BRASIL 2 X 0 COLÔMBIA

 

Local: Arena Corinthians, em São Paulo (SP)

Data: 13 de agosto de 2016 (Sábado)

Horário: 22h (de Brasília)

 

Árbitro: Cuneyt Cakir (Turquia)

 

Gols: Neymar - 12’/1º T, Luan - 38’/2T

 

Cartões amarelos: Neymar (Brasil), Palacios, Lerma, Barrios, Preciado, Miguel Borja, Gutiérrez (Colômbia)

 

BRASIL: Weverton; Zeca, Marquinhos, Rodrigo Caio e Douglas Santos; Walace, Luan e Renato Augusto; Neymar, Gabriel Jesus (Rafinha Alcântara) e Gabigol (Thiago Maia)

Técnico: Rogério Micale

 

COLÔMBIA: Cristian Bonilla; Helibelton Palacios, William Tesillo, Deivy Balanta e Cristian Borja; Jefferson Lerma, Wilmar Barrios (Sebastian Perez) e Dorlan Pabón; Teo Gutiérrez, Andrés Roa (Arley Rodriguez) e Harold Preciado (Miguel Borja)

Técnico: Carlos Alberto Restrepo

Copyright© 2007/2018 - AGÊNCIA DE NOTÍCIAS.COM.BR - Todos os direitos reservados.
Este material não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.