No sufoco! Larissa e Thalita viram jogo “perdido” e seguem na trilha do ouro

Dupla brasileira começa mal, mas salva chances das suíças fecharem a partida, se reencontram e estão nas semifinais

 

Foi no sufoco, foi no desespero. Se existia alguém com alguma doença no coração que acompanhou a vitória de Larissa e Thalita sobre as suiças Joana Heidrich e Nadine Zumkehr e não está no hospital, está de parabéns e pode dispensar o cardiologista. Jogando mal durante boa parte do jogo, a dupla número um do Brasil quase foi eliminada no segundo set, quando tiveram que salvar diversos pontos do jogo, inclusive com disputas de bolas de tirar o fôlego. Porém, as brasileiras se impuseram, venceram o segundo set e viraram a partida no set de desempate, fazendo 2 sets a 1 (21-23, 27-25, 15-13) e mantendo acessa a esperança do ouro olímpico que escapou em Londres 2012. A partida foi tão tensa que até a torcida presente na arena montada em Copacabana não conseguiu relaxar. O público geralmente é um fator decisivo no apoio para qualquer dupla brasileira que pise na areia, mas não se manteve em silêncio até o ponto derradeiro que colocou as brasileiras na semifinal olímpica.

 

SUÍÇAS JOGAM BEM E VENCEM PRIMEIRO SET SEM DIFICULDADES

 

O set começou com belas jogadas de Larissa e Thalita que logo abriram 4 a 1, obrigando a dupla suíça a parar a partida, pois parecia que não haviam entrado em quadra. O jogo melhorou e as estrangeiras reagiram. Com direito a um ponto confirmado no desafio eletrônico que confirmou que a bola pegou no dedo da brasileira, empataram a contagem. As brasileiras cometeram alguns erros de ataque e viram as Suíças tomarem a dianteira do placar, administrando uma vantagem de dois a três pontos. As brasileiras pareciam mais nervosas, mas na largadinha de Larissa a partida estava empatada novamente e no saque que quebrou a recepção colocou o Brasil na dianteira de novo. A dupla europeia defendeu bem e virou o placar de novo. No ataque de, as meninas de vermelho conseguiram o set point. Larissa e Talita reagiram e empataram novamente. O jogo ficou mais catimbado. As duas duplas pediram o desafio eletrônico para confirmar pontos que afirmavam ter duvidas e ambos não deram em nada. O time brasileiro errou a mão na recepção e Heidrich teve que bater duas vezes para confirmar o ponto e fechar set em 23 a 21.

 

BRASILEIRAS EMPATAM O JOGO EM SET ELETRIZANTE

 

Com um belo brasileiro, o segundo set começou com um a zero para as brasileiras. Exatamente como na passagem anterior, as brasileiras abriram 4 a 1 no placar, as suíças pediram tempo para parar o jogo e quando voltaram para a areia, as estrangeiras viraram para 5 a 4. Larissa e Thalita se sacudiram e apertaram o jogo. Apesar de estar variando pouco o jogo, principalmente na insistência em atacaras bolas em cima de Heidrich, que não estava surtindo efeito pela força defensiva da suíça. As meninas do Brasil deveriam utilizar mais as bolas de diagonal curta. Passava da metade do segundo set e o time verde e amarelo não conseguia encaixar o jogo. A dupla europeia pediu um desafio e o árbitro se enrolou todo. Aceitou o desafio, mas analisou um lance errado e as suíças se revoltaram com o juiz que não quis analisar a outra imagem. Dois pontos depois voltaram a pedir o desafio, comprovando que não houve toque no bloqueio e colocando a dupla de vermelho na frente do placar. Com vantagem para a Suíça, Thalita achou um bloqueio e empatou. Mas as europeias viraram o jogo e conseguiram o ponto do jogo que foi salvo pelas brasileiras. Zumkehr errou a recepção do saque de Thalita e o Brasil passou a frente. Em um rally espetacular com o placar 22 a 21 e várias trocas de bolas, sem desistir, a dupla verde e amarela, salvaram mais um ponto do jogo que seguiu eletrizante e no ataque de Thalita, as brasileiras viraram e conquistaram uma chance de fechar o set que foi salva com o empate das vermelhas. Finalmente depois de minutos de agonia, no bloqueio de Thalita, as brasileiras fecharam a passagem em 27 a 25 e levaram o jogo para o set de desempate.

 

DUPLA BRASILEIRA VENCE APERTADO E SEGUE VIVA

 

O jogo estava tão nervoso que nem o público, que faz uma festa danada em todas as partidas, conseguia se soltar. Larissa e Thalita erravam algumas bolas simples, mas contaram com a sorte e mesmo com as suíças abrindo 5 a 3, as brasileiras empataram e em uma disputa espetacular, passaram a frente do placar. As brasileiras abusavam dos erros no levantamento, a ponto de receberem bolas de graça e perderem os pontos. Larissa entrou no jogo e resolver chamar a responsabilidade da partida. Primeiro se redimiu do erro e largou de segunda em uma deixada de bola espetacular, depois pegou uma bola impossível e atacou em diagonal curta em cima da linha da quadra das vermelhas. O Brasil abria e Thalita conseguiu um belo bloqueio, mas o árbitro marcou bola fora, mesmo com a imagem da bola batendo na cabeça da europeia antes de sair que deixaria placar em 13 a 9. O erro custou caro deu sobre vida às europeias. Com o ponto do jogo no placar, Zumkehr acertou a bola na quadra brasileira. Larissa e Thalita pararam o jogo com o pedido de desafio eletrônico que o juiz rejeitou e na volta Thalita cravou a bola na quadra, fechando o set em 15 a 13 e a partida em 2 sets a 1.

 

Medalha de bronze nas Olímpiadas de Londres, ao lado de Juliana, Larissa estava aliviada pela vitória e mostrou confiança para encarar as alemãs na semifinal.

 

- Não foi um jogo fácil, mas a gente joga junto faz muito tempo e estamos acostumadas. De vez em quando a gente perde um set, isso é normal. Sabíamos da dificuldade do torneio olímpico. A torcida fez a diferença e nos ajudou muito. Elas precisavam colocar a bola no chão para vencer e a gente não iria desistir nunca daquela bola. A dificuldade e a qualidade delas só valoriza nossa vitória. Agora é pensar nas alemãs, que estão jogando bem, mas eu sou mais brasil – vibrou a brasileira

 

Na terça, dia 16, em partido pelas semifinais, a dupla, número um do Brasil, enfrenta as alemãs Laura Ludwig e Kira Walkenhorst em busca da vaga na final.

 

 

 

Copyright© 2007/2018 - COMENTANDO.COM.BR - Todos os direitos reservados.
Este material não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.